~notícias fresquinhas

~ Reflexão do Grupo da Soci...

~ Reflexão pelo Grupo de In...

~ Reflexão pelo Grupo da In...

~ Reflexão pelo grupo da Cu...

~ Reflexão do grupo Economi...

~ Reflexão do grupo do Ambi...

~sótão

~ Junho 2008

~ Maio 2008

~ Abril 2008

~ Março 2008

~ Fevereiro 2008

~ Janeiro 2008

~ Dezembro 2007

~ Novembro 2007

~ Outubro 2007

~o que procuras?

 

~Sabias que...

...o nosso concelho tem cerca de 34000 habitantes e é o maior em área do Algarve?

~Conclusão:

há muito espaço em branco e dificuldade em preenchê-lo... para bom entendedor....

~visita o site da C.M.S.

Município de Silves

~visita o site da nossa escola!

Escola Secundária de Silves

~as nossas freguesias

Alcantarilha Armação de Pêra Tunes S.B. Messines Algoz S. Marcos da Serra Silves Pêra

~tags

~ todas as tags

Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2007

Reflexão do Grupo da Sociedade

Não conseguimos ter uma boa perspectiva da cidade já que estamos algo atrasados no inquirir e analisar a amostra da população que nos propusemos estudar. Ainda assim, iremos fazer uma breve reflexão a partir do que vivemos aqui na cidade, diariamente, e das interacções que vemos com os nossos próprios olhos.

Como em qualquer outra cidade, existem parâmetros pouco desenvolvidos e outros com grande potencial. Como negativos, os seguintes: o Apoio à Saúde, o sistema de transportes na cidade, as Acessibilidades, o mercado de emprego e a Actividade Cultural. A verdade é que o Centro de Saúde funciona muito “lentamente”, o tempo de espera costuma ser bastante longo e o serviço pouco eficaz. Os médicos escasseiam.

Quanto ao sistema de transportes, é inexistente. Não existe uma rede organizada de origem institucional que permita o transporte urbano.

Relativamente às Acessibilidades, entrámos em contacto com as nossas colegas de turma que estão a trabalhar nesse aspecto. Elas não nos disseram nada de que ainda não tivéssemos conhecimento: Silves não possui qualquer tipo de acessibilidades. Na nossa escola não existe nada. A entrada na escola não é possível para um deficiente que se movimente numa cadeira de rodas. Ainda que fosse, não existe elevador, apenas grandes escadarias com acesso aos pisos superiores. Até ir
à casa de banho se torna impossível. O único edifício público que encontraram que é acessível a deficientes motores foi as Piscinas Municipais, que possuem uma rampa à entrada e elevador no interior, talvez isto pelo edifício ter sido construído recentemente, ao contrário da Câmara, por exemplo, que data de 1891. Nesse tempo ainda não existiriam preocupações relativamente a estas coisas.

O mercado de emprego não nos parece muito extenso. A cidade não é muito desenvolvida a nível comercial, pelo menos no que toca ao comércio local. Sabemos que têm aparecido algumas iniciativas por parte de C.M.S. no intuito de desenvolver esta actividade mas, a uma primeira vista, não se apresentam melhoras.

Culturalmente, Silves é pouco desenvolvido. Não existe qualquer espécie de Centro Cultural que permita a realização de espectáculos musicais ou peças de teatro. O cinema era fonte de entretenimento mas foi fechado há uns 6 ou 7 anos atrás.

O turismo talvez seja o maior potencial da cidade, é graças a ele que muitas das actividades económicas da cidade encontram rendimento.

         Quanto à população, sabemos que é envelhecida. Resta-nos entrar em contacto com a Rede Social de modo a confirmar tudo isso. Uma sociedade envelhecida conduz a uma estagnação social dum ponto de vista tecnológico, cultural e comercial. Não há um crescimento nas interacções sociais, não se inova nem se procuram novas soluções. É necessária uma sociedade rejuvenescida que caminhe para o empreendimento e para o crescimento económico. Paira apatia no ar.

 

estamos: na boa!
e apetece-nos ouvir: guitarradas natalícias!
genialmente escrito por CriaXelb às 18:24
| a tua opinião faz a diferença! comenta! | adiciona-nos como favorito!

Reflexão pelo Grupo de Intervenção Urbana - Acessibilidades

A nível de acessibilidades podemos tirar algumas conclusões. Decidimos, este período, centrarmo-nos principalmente na Escola Secundária de Silves, uma vez que temos presenciado com alguma regularidade alunos que enfrentam barreiras na sua mobilidade, nomeadamente na necessidade de utilizar cadeira de rodas e muletas. Através de fotografias e vídeos identificamos os pontos fracos e os pontos fortes que mais se destacam na escola identificando-os posteriormente no mapa desta. E quanto às ilações que tiramos, são mais os fracos que os fortes.

Para um deficiente motor as dificuldades iniciam-se logo na entrada principal. Estes deparam-se com uma escadaria que torna impossível a entrada no edifício. Ter aulas nos pisos superiores é também uma impossibilidade pois a comunicação entre estes é feita através de escadas. É ainda importante referir que nas casas de banho, além de também existir um degrau à entrada, a largura das cabines é bastante estreita para a passagem de um deficiente motor com cadeira de rodas. E estes são apenas os principais pontos numa grande variedade de muitas outras barreiras…

Além disso, achamos importante apurar o conhecimento da comunidade escolar acerca deste tema e portanto estamos ainda a realizar inquéritos cujos resultados serão analisados e divulgados no próximo período.

         Todavia, apesar de não termos tido tempo para analisar a cidade, temos a percepção de que esta não é das melhores em termos de acessibilidade. Isto porque todos os dias passamos por locais, onde observamos inúmeras barreiras arquitectónicas, passando pela largura reduzida dos passeios à bastante acentuada inclinação de ruas. O facto da cidade ser muito antiga torna-a muito mal adaptada a todos os tipos de deficiência.

                     

         Esperamos que esteja ao nosso alcance melhorar algo na nossa cidade, de modo a que, quer para os deficientes quer para os não-deficientes, a arquitectura não mais constitua uma barreira.

estamos: Criativamente de Férias!
e apetece-nos ouvir: Jingle Bells
genialmente escrito por CriaXelb às 18:07
| a tua opinião faz a diferença! comenta! | adiciona-nos como favorito!

Reflexão pelo Grupo da Intervenção Urbana - Ciência & Tecnologia

 

         Meses de trabalho e esforço seguiram-se após o conhecimento e inscrição no projecto. Hoje, já temos minimamente uma noção daquilo que pretendemos desenvolver; depois daquela confusão inicial, agora tudo está claro e a evoluir a passos largos.

 

         Embora este primeiro período tenha sido essencialmente dedicado a trabalhos teóricos e ao inicio do levantamento das infra-estruturas que estão envolvidas na nossa área “Ciência e Tecnologia”, a verdade é que, com o aprofundamento do trabalho teórico tomamos consciência que muito falta á nossa cidade, pois, apesar da sua análise apenas ter sido começada, já a conhecemos há vários anos, o que nos permite fazer uma pré-avaliação sobre a mesma, ainda que não esteja provada através de meios sociais (trabalho que continuará a ser desenvolvido ao longo do segundo período).

         Silves é uma cidade pequena. Talvez esse seja o principal motivo pelo qual consideramos estar um pouco “esquecida” e seja um pouco “invisível” a par de cidades maiores e que actualmente se encontram mais desenvolvidas. Ainda assim, temos a ideia de que tem havido uma evolução positiva ao longo dos anos, embora muito ainda esteja para fazer a nível científico e tecnológico.

   

          A ciência & tecnologia, a nível do nosso projecto, está a ser abordada em âmbitos como a Saúde, o Ambiente, o Ensino, a Investigação, a Informática e a Arqueologia (que é integrada nas ciências sócio-humanísticas e que detêm uma enorme importância na nossa cidade). Estas áreas são constantemente “bombardeadas” por ciência e tecnologia, que desempenham nelas um papel fulcral e que por isso mesmo, pensamos que devem ser trabalhadas e desenvolvidas.

         Ainda há muito para fazer. Ainda há muito a desenvolver e a analisar. Temos muito trabalho pela frente. Aceitamos este desafio. Pretendemos levá-lo até ao fim.

         Procuramos que a nossa cidade Evolua. Tentaremos fazê-lo de forma Criativa

estamos:
genialmente escrito por CriaXelb às 12:45
| a tua opinião faz a diferença! comenta! | adiciona-nos como favorito!

Reflexão pelo grupo da Cultura

A nível cultural a nossa cidade poderia investir em eventos com mais interesse.

 

Como pontos fracos podemos enumerar, entre outros:

- O Teatro Gregório Mascarenhas* está remodelado mas ainda não houveram nenhuns eventos, pelo que permanece fechado.

- A Casa da Cultura Muçulmana, poderia ser melhor aproveitada, com mais exposições e eventos mais dinâmicos.

- O Castelo está em obras; a sua entrada é cobrada, mas pensamos que, sendo este um monumento nacional deveria ser de entrada gratuita.

- A entrada no Museu de Arqueologia não deveria ser cobrada tanto para os habitantes como para os estrangeiros, pois nenhuns o visitam pelo facto de a entrada ser paga. Se esta fosse gratuita, talvez o Museu tivesse mais visitantes.

- O Festival da Cerveja, era um evento que atraía muitas pessoas de outros locais, porém, este ano, não se realizou, para tristeza tanto dos habitantes de Silves, como para os de outras cidades.

- A Biblioteca Municipal já foi inaugurada, continuando fechada para grande descontentamento da população.

 

Alguns dos pontos fortes:

- As Piscinas Municipais são uma infra-estrutura bastante valorizada por todas as faixas etárias, tanto pela pratica de natação como pelo ginásio, sauna, cabeleireiro, etc.…

- A Feira Medieval é um evento cultural que atrai bastantes pessoas e que enriquece bastante a cidade durante uma semana de Agosto, sendo este um dos eventos mais divulgadores da cidade.

 Feira Medieval, Agosto 2006, © António Baeta Oliveira

- Na Fissul são regularmente realizados ateliers e exposições a que a população pode aceder quando disponíveis.

 

Concluindo, a cidade de Silves tem um forte potencial cultural, mas não é bem aproveitada nesse sentido. Esperemos que a situação melhore num futuro próximo.

 

*EDIT: Teatro Gregório Mascarenhas, equivocamente designado por Teatro Municipal.
estamos: de férias

Reflexão do grupo Economia e Inovação

Em relação ao tema Economia e Inovação, pretendemos mostrar como é que a nossa cidade se encontra desenvolvida em diferentes sectores económicos.

Temos, primeiramente, que mencionar numa sociedade a existência de necessidades primárias para depois podermos partir para outro tipo de necessidades (secundárias e terciárias). Entendemos como necessidades primárias a alimentação, o vestuário, a saúde, a habitação…

De modo particular, em Silves a população satisfaz as suas necessidades primárias através de supermercados, restaurantes, cafés, pastelarias, lojas de roupa, sapatarias, clínicas e consultórios particulares, um Centro de Saúde, farmácias e em relação à habitação podemos salientar a recente construção de edifícios habitacionais, a existência de um hotel, pensões e residenciais, lojas de mobiliário e electrodomésticos.

Quanto às necessidades secundárias (ir ao cinema, ler um livro ou ouvir um CD, emprego…) não podemos dizer que a nossa cidade seja muito desenvolvida nestas áreas, destacamos algumas lojas de DVD’s e CD’s, bem como uma biblioteca municipal, algumas papelarias, um parque radical construído recentemente, um circuito pedestre com complementos para o exercício físico especifico e as piscinas municipais com escola de natação, ginásio, sauna, jacuzzi, cabeleireiro e snack-bar, que ajudam principalmente na educação e no lazer da população, desde os mais novinhos aos seniores. Existem também pequenas lojas de tecnologias (informática, electrónica), mas apesar disso não podemos dizer que a cidade seja desenvolvida neste sector. Relativamente aos aspectos negativos realçamos o encerramento do único cinema existente e do teatro, já há alguns anos, a inexistência de ateliers, de espaços para diversão nocturna, espaços verdes, realização de eventos dirigidos aos jovens e pouca divulgação de eventos realizados, bem como a pouca oferta profissional para os jovens recém formados.

As necessidades terciárias (uso jóias, perfumes ou roupa de marca…) dependem da classe social, mas podemos referir que a aquisição deste tipo de bens não é mais frequente porque na cidade predomina a classe média/baixa.

Podemos concluir que a cidade apresenta pouco desenvolvimento tecnológico, educacional e a nível do lazer devido a ter uma população envelhecida e por isso com necessidades específicas para esse escalão etário, consequentemente com pouca inovação o que faz com que os jovens naturais de cá não sejam motivados a permanecer na cidade.

 

estamos:
e apetece-nos ouvir: Jingle bells
genialmente escrito por CriaXelb às 12:08
| a tua opinião faz a diferença! comenta! | adiciona-nos como favorito!
Segunda-feira, 10 de Dezembro de 2007

Reflexão do grupo do Ambiente

Em Silves, a nível do ambiente já podemos tirar algumas conclusões.

A nível da Qualidade da Água, Silves possui uma estação de tratamento de águas que funciona em condições deploráveis. Apesar das várias queixas feitas pelos cidadãos, a água que provém da estação vem cheia de espuma, de resíduos tóxicos e poluentes que desaguam no rio, invadindo também esgotos e sarjetas.

 

              

 

Esta situação poderia ser amenizada ou até mesmo extinta, supervisionando melhor a estação, tornando eficaz a legislação no que diz respeito à aplicação de coimas e também com a utilização de filtros na canalização da estação de modo a que a água esteja minimamente tratada e em condições para ser lançada para o rio, sem o poluir e sem destruir ecossistemas. Uma outra observação que também não queríamos deixar de realçar é o facto da necessidade que o rio tem em ser desassoreado já que isso diminuirá a probabilidade de uma cheia ocorrer.

A nível do Ar, o maior responsável pela poluição atmosférica em Silves é o tráfego automóvel, sendo a zona mais afectada o centro da cidade. Apesar dos níveis de monóxido de carbono não serem tão elevados como em algumas cidades de Portugal, têm vindo a aumentar e se continuarem a aumentar poderão transformar-se num grande problema.

         O Tráfego Automóvel em Silves não só é responsável pela poluição atmosférica como também pela poluição sonora, sendo o centro da cidade também o mais afectado.

Uma das soluções que poderíamos aplicar para que ambos os problemas se resolvessem era adoptar a ideia de Coimbra. Em Coimbra, decidiu-se construir parques de estacionamento na periferia da cidade e o bilhete desse parque serviria para andar em todos os transportes públicos da cidade. Assim, diminuir-se-ia significativamente o tráfego dentro da cidade.

        Outra medida inovadora para reduzir a poluição atmosférica é a construção de jardins nos telhados. Com a construção de jardins nos telhados, a concentração de oxigénio iria aumentar e a de dióxido de carbono diminuir.

         Concluindo esta nossa reflexão, queríamos também destacar a falta de civismo das pessoas em Silves. Várias vezes nos deparamos com lixo espalhado no chão perto de contentores e também longe deles. Para além disto ter um impacto visual negativo, polui muito os solos e possíveis lençóis freáticos, polui também o ar já que o lixo na maior parte das vezes é inorgânico, este que leva milhares de anos a desaparecer.

      Apelamos assim para o bom senso das pessoas e para a reciclagem. Apesar de cada vez mais existirem campanhas promotoras dos quatro R's, ainda estamos a muitos anos luz de uma mudança significativa de mentalidades!

 

                     

estamos:
e apetece-nos ouvir: Jingle bells